PsiqueOnLine

Contatos
31 8885-2932 (oi e whatsApp)
ada_psique@yahoo.com.br
Consultório de Psicologia - Eldorado/ Contagem - M.G.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Amor Pra Recomeçar

Olá Pessoal!

Estamos a poucos dias do Natal! Ahhhh... tão bom encerrar o ano com tantas coisas boas que aconteceram!

Este é o nosso último post do ano e gostaria de agradecer a todos que me acompanharam por aqui :)

Foi ótimo poder compartilhar com vocês histórias, pensamentos, tirar algumas dúvidas, receber recados tão carinhosos, elogios sinceros e muiiiiiiitos compartilhamentos!!! Estamos encerrando o ano com quase 10 mil visualizações do blog e isso é muito legal!!! Só tenho a agradecer vocês pelo incentivo! Sempre que posto algo e algum de vocês manda um comentário é muito legal!!!

Então... espero vê-los em 2014!!!! Uhuuuuuuuuuuu

Teremos muitas novidades para o próximo ano, inclusive, uma delas é que serei parceira da REDE PSICOTERAPIAS com uma coluna sobre crianças e adolescentes quinzenalmente as terças-feiras, mais um canal para podermos nos comunicar! Logo, logo postarei todas as informações para vocês!!!

Bom... e para encerrar nosso ano aqui, me lembrei de uma música do Frejat que diz dos meus desejos para todos vocês... AMOR PRA RECOMEÇAR... Afinal, todo ano que se renova é uma chance de fazermos algo NOVO, algo DIFERENTE, uma chance a mais pra MUDAR aquilo que queremos... Mas que em todas as mudanças exista AMOR!




Boas Festassssss
 
FELIZ ANO NOVO!!!!!







Eu te desejo
Não parar tão cedo
Pois toda idade tem
Prazer e medo
E com os que erram
Feio e bastante
Que você consiga
Ser tolerante
Quando você ficar triste
Que seja por um dia
E não o ano inteiro
E que você descubra
Que rir é bom
Mas que rir de tudo
É desespero
Desejo
Que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda exista amor
Pra recomeçar
Pra recomeçar
Eu te desejo muitos amigos
Mas que em um
Você possa confiar
E que tenha até
Inimigos
Pra você não deixar
De duvidar
Quando você ficar triste
Que seja por um dia
E não o ano inteiro
E que você descubra
Que rir é bom
Mas que rir de tudo
É desespero
Desejo
Que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda exista amor
Pra recomeçar
Pra recomeçar
Eu desejo
Que você ganhe dinheiro
Pois é preciso
Viver também
E que você diga a ele
Pelo menos uma vez
Quem é mesmo
O dono de quem
Desejo
Que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda exista amor
Pra recomeçar
Eu desejo
Que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor
Pra recomeçar
Pra recomeçar
Pra recomeçar



quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Então é NATAL .... mas CUIDADO!

Ah! o Natal!!! Acho uma das épocas mais lindas do ano! A cidade e as casas se enfeitam com luzes coloridas, enfeites natalinos, as famílias se reúnem... um clima diferente vai tomando conta das pessoas, afinal é FESTA!


Contagem 2013


Mas também é uma época e que devemos tomar alguns cuidados importantes, então, lá vai alguns alertas!!!

Apesar de serem lindas e fazerem o clima de Natal se tornar ainda mais característico as árvores de natal e os pisca-piscas precisam de alguns cuidados: após algum tempo guardado o pisca-pisca pode sofrer danos devido ao próprio manuseio, por isso, é importante verificar as condições dos fios e fazer as instalações sempre com o pisca desligado da tomada. Por serem fontes de calor, as luzes precisam de acompanhamento contínuo e devem ser desligadas quando não houver alguém em casa ou quando estiverem dormindo. Evite o contato das lâmpadas com objetos e enfeites que podem ser inflamáveis.




 
Dentro de casa, o alerta é para que as crianças tenham acesso vigiado à árvore-de-natal, pois elas podem sofrer choque elétrico ou provocar acidentes ao mexer nos enfeites. É importante adquirir árvores que tenham a etiqueta “resistente ao fogo”, essa medida pode evitar que, na eventualidade de um curto-circuito, seja provocado um incêndio. Mantenha a árvore distante de objetos que possam pegar fogo, como tapetes e cortinas. Evite o uso de luzes elétricas e piscas de árvores que contenham metal, pois estes materiais podem conduzir energia e provocar choques elétricos.
 
Ao comprar o pisca-pisca e a árvore de Natal busque produtos certificados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), evite também a utilização de multiplicadores de tomadas ("T") na instalação dos enfeites luminosos. Use enfeites e lâmpadas resistentes à água na decoração externa. A decoração de Natal externa nunca deve ficar próxima ou conectada diretamente à rede elétrica da distribuidora de energia. Prenda bem os enfeites externos.
 
Cuidado também com enfeites pequenos e de vidro pendurados nas arvores, por serem coloridos e brilhantes esses enfeites chamam muito a atenção das crianças que podem provocar acidentes, então, melhor prevenir, não é?!
 
 



 
 
É a época que os presentes são a grande atração da festa, e muitos pais optam por comprá-los em shoppings que costumas ficar lotados, então caso precise levar sua criança com você as compras, cuidado redobrado!!!
 
 
 
 
Não o perca de vista e nem solte suas mãos, hoje há algumas opção no mercado como uma mochilinha com uma cordinha que se pode prender a você, apesar de muitos pais acharem isso estranho é uma forma segura de que quando precisar soltar a mão do seu filho, para experimentar ou ver algo, ele não se distancie de você.
 
 
 
 
Além dos cuidados de ir ao shopping, se atente também para o brinquedo que vai comprar!!!
 
Para o pediatra Marcelo Otsuka, do Hospital Pediátrico Darcy Vargas, muitos brinquedos, apesar de educativos e atraentes, podem intoxicar, ferir e até mesmo sufocar a criança. As massinhas de modelar, por exemplo, são excelentes para a criatividade, mas algumas não possuem selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) e são feitas com produtos tóxicos. Há modelos com tinta que contém chumbo, o que é extremamente venenoso e pode intoxicar.

Existem brinquedos com peças pequenas que podem ser engolidas e sufocar, ou com áreas pontiagudas, que podem  machucar ou ser engolidas e causar perfuração no intestino da criança.

Além de riscos graves à integridade física, alguns brinquedos podem acarretar problemas psicológicos. Alguns modelos emitem som e podem estressar a criança. Sabemos que elas levam um tempo para enjoar da brincadeira. Até chegar esse momento, o brinquedo vai ficar ligado por longas horas, o que pode perturbá-la.

Para evitar problemas, fique atento a alguns pontos: os brinquedos devem conter selo de segurança fornecido pelo Inmetro; os fabricantes devem informar na embalagem para qual idade o brinquedo é indicado, além de colocar informações sobre a empresa, como nome, CNPJ e endereço.

Para auxiliar os pais na hora das compras, segue uma lista resumindo dez detalhes que devem ser verificados  antes da compra:




* Evite comprar brinquedos com ruídos excessivos, pois eles podem causar danos à audição;
* Brinquedos com formas e cheiros que imitem alimentos podem induzir as crianças a engoli-los;
* Fique atento aos brinquedos que possuam partes cortantes ou pontiagudas, pois elas podem ocasionar ferimentos;
* Em hipótese nenhuma adquira brinquedos que contenham substâncias tóxicas ou de fácil combustão;
* Verifique o prazo de validade e as condições de garantia do brinquedo;
* Tome cuidado com cordas, balões com fios ou peças muito pequenas, pois esses brinquedos podem causar sufocamento;
* Evite brinquedos que possam ocasionar choque elétrico;
* Observe se os fabricantes do produto informam no rótulo para qual faixa etária o brinquedo é indicado;
* Verifique se a embalagem do brinquedo possui informações sobre o fabricante (nome, CNPJ, endereço);
* Veja se os brinquedos contêm selo de segurança fornecido pelo INMETRO.

Esses são alguns alertas importantes que devemos estar atentos para termos um Natal feliz e cheio de alegrias e nada de surpresas desagradáveis ou passar por algum sufoco.

No entanto o verdadeiro NATAL não precisa de árvores nem presentes, o legal mesmo é ter a FAMÍLIA por perto e agradecer a DEUS por estarem com pessoas que amamos, não só trocar presentes, mas principalmente trocar ABRAÇOS, palavras de CARINHO, RIR, BRINCAR, aproveitar essa reunião para festejar a VIDA... isso sim é o verdadeiro sentido do NATAL... não só uma data comercial, mas uma data ESPECIAL... Eu não vejo a hora de ver a minha família!!!!!




                          Assim... que todos nós tenhamos um FELIZ NATAL, cheio de paz e amor!!!






terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Ser Mãe

Ah! Clarice Lispector ou Helen Palmer, tanto faz! O que importa é que os textos dela são sempre sensacionais!!!

Me apaixonei pelo texto Ser Mãe que foi apresentado no Fantástico e para quem não viu, divido com vocês com muito prazer, afinal é um lindo texto!


Apreciem...

Ser mãe é coisa que mudou bastante através dos tempos. Na França, por exemplo, houve um tempo em que as fidalgas consideravam a maternidade uma das mais desagradáveis incumbências. Sem o menor respeito ou amor pelas crianças, era moda abandonarem seus filhos em lugares distantes, de preferência no campo, na companhia de empregados e amas. Parece estranho falarmos de assunto tão sério como esse? Mas é que antes de ser mulher vaidosa, profissional ou dona de casa você é mãe, não é? Ou quem sabe vai ser um dia.



 
 

Ser mãe é muito mais do que dar à luz uma criança. Uma verdadeira mulher, uma verdadeira mãe, sabe que seus deveres vão muito além de enfeitar, agasalhar e alimentar seu filho. Você tem a difícil tarefa de civilizá-lo.

Não seja responsável pelas futuras falhas de seu filho, deixando-o crescer longe de seus olhos e de seus carinhos.

Esclarecida é a mulher que é de fato mãe e educadora e não uma boneca mimada a criar outros bonequinhos mimados.

Cada filho é um universo, e cabe aos pais descobrir, conquistar e fazer frutificar esse novo ser.
Sim, sim. Toda mãe e todo pai devem conhecer muito bem a criança que trouxeram ao mundo - e isso só se consegue chegando-se a ela, ouvindo suas primeiras queixas, seus primeiros desejos.
Um filho bem compreendido no lar tem as melhores armas para vencer na vida, quando tiver que enfrentá-la.

Não desanime jamais. As mães podem ser excelentes amigas se tiverem com os filhos a tolerância e a paciência que têm para o trabalho doméstico.





Lembre-se: toda criança precisa brincar.

Em vez de “se encher de paciência”, você vai se encher de amor quando se lembrar de que, para o seu filho, você é símbolo de conforto e proteção.

Mas é claro que pais e filhos se cansam mutuamente. Vigiar e ser vigiado fatiga um pouco os nervos.
O importante é não esquecer que você está moldando um ser humano, dando-lhe bons ou maus exemplos. Como pode uma mãe tentar corrigir um filho que grita se ela também grita por qualquer motivo?

Desde pequenos, os filhos devem ir aprendendo a se portar bem em sociedade. Sim, minha amiga... Quando se tornarem adultos será tarde demais.

Sua criança é um ser em formação - está sempre mudando.

Sim, filhos crescem rápido. Mas não creia que quando chegarem à puberdade a sua tarefa terminou. Nesse período de turbulência e hipersensibilidade, de vaidade e egoísmo, é que eles mais precisam de compreensão.

Os jovens não sabem muito bem o que são, nem o que querem ser. E ainda por cima desconfiam da vontade de mandar dos adultos. O melhor jeito não é insistir, e sim dar a eles uma discreta mistura de apoio e liberdade.

 
Com inteligência e o instinto materno que todas nós temos, você lhe mostrará o que está certo ou errado, mas de maneira sutil.

Ela vai errar, provavelmente vai - afinal, nós também erramos. Mas errar é o começo de acertar também.

Você já deve ter notado que os pais que cedem a todos os caprichos infantis passam a ser considerados pela criança um joguete.

Cabe a vocês preparar jovens capazes, conscientes e úteis.

Antes de tudo, seja amiga de seu filho. Não amiga para dar guloseimas, coisas bonitas, beijos apressados e mesadas generosas.

Generosidade, aliás, é outra coisa. Você já pensou que um pouco de perfume sempre fica nas mãos de quem oferece rosas?

Eu nunca prestei um favor sem sentir que nas minhas mãos ficou a lembrança do gesto de dar. Nunca dei amor de verdade sem sentir que também recebi amor. É essa a melhor forma de se sentir recompensada por todos os trabalhos. A melhor maneira de ser mulher, a melhor maneira de ser feliz.

Minha amiga, você com certeza já sabe e sente: a ternura é uma fonte inesgotável de bem! Sem ela, o mundo sofre com impertinência, excesso de autoridade, com maneiras rudes de pais e filhos... Às vezes parece mesmo que estamos sob o império da grosseria! Mas a ternura... Ah, ela é justamente o contrário disso! Ela é o extraordinário que podemos encontrar nas coisas mais comuns, é a hóspede agradável de um lar, é ela que alimenta um amor que nunca cansa nem acaba. Guarde esse pensamento, seja você mãe ou não: o que não se consegue com ternura não se consegue por nenhum outro caminho. A ternura é a grande conquistadora, aquela que tudo consegue e tudo vence!





terça-feira, 26 de novembro de 2013

Criança, a alma do negócio II


Há alguns anos, nessa mesma época de Natal, escrevi essa matéria no Blog sobre o consumismo infantil, me preocupava como as crianças estavam encarando essa época do ano, não mais como uma festa de amor e reunião familiar, mas uma data de apenas trocas de presentes e de presentes caros e sem significados, influenciados pela mídia que as vezes me parece tão cruel, por usar artifícios persuasivos contra um publico tão indefeso e sem critica. E os pais, quem pode culpa-los por querer agradar seus filhos e fazer suas vontades, um pouco vitimas desse consumismo desenfreado também?!

Relendo a matéria (http://www.psiqueonlinee.blogspot.com.br/2010/12/crianca-alma-do-negocio.html) ainda me lembro das surpresas que vi nas lojas de brinquedos, roupinhas para bonecas em sessões de luxo das lojas, isso tudo para atrair os olhos de menininhas que mal entendem o significado de tudo aquilo, mas que já desejam comprar... compra... comprar...

A indústria publicitaria criou uma geração fanática pelo consumo exagerado, acabando com a infância e fazendo com que as crianças deixem para trás aspectos importantes dessa fase para se dedicarem a um hábito que antes era próprio dos adultos.

 

 
Para esse mercado vale tudo e as estratégias para seduzir são inúmeras como personagens infantis, jogadores de futebol, animadores, etc. As propagandas vão desde anúncios de brinquedos a eletrônicos, tudo isso ligado a um mercado milionário e influenciador deixando crianças e adolescentes reféns da televisão e de qualquer tipo de apelo de venda num desejo incontrolável de obter todas essas novidades, mesmo que ela não precise ou possa adquiri-la.
 
 
 
 
 
O método se torna ainda mais eficaz diante da simpatia das crianças pela televisão e através dela, empresas de vários ramos, buscam atrair o público infantil, pois são excelentes promotores de vendas, já que não sabem como lidar com o apelo da publicidade e acabam influenciando a família inteira nas escolhas de certos produtos na hora da compra e muitos pais acabam cedem aos pedidos dos pequenos por variados motivos, alguns por culpa de não passarem tanto tempo como gostariam com seus filhos ou até mesmo por não terem tido essa oportunidade quando crianças.
 
 
 
Mas de 2010 para cá andei tendo outras surpresas e não poderia não compartilhar e quem sabe até mesmo inspirar outras ações....Tenho conhecido uma outra geração de mães, que trabalham sim, e muito! Mas que priorizam suas famílias e seus filhos e ensinam os antigos valores como amor e caridade, uma geração que por tanto ouvir noticias ruins achei que tivesse acabado... mas felizmente não! E as noticias que tenho são encantadoras... motivadoras!
 
 
 
 

Vou começar contando sobre um convite de aniversário que me comoveu, a festa é para um menininho lindo e sorridente que completará 1 aninho, o convite veio por e-mail e não tinha nada de luxuoso ou personagens fantásticos como temos visto ultimamente, mas era o rostinho dele rindo como ele é! E dizia assim: Este ano faremos doações de alimentos e/ou brinquedos para crianças carentes no Natal, então não se preocupe com presentes para mim, se puder, contribua com o natal desses amiguinhos que vou visitar e ajudar. E essa não é nenhuma família de artistas famosos, mas uma família que quer ensinar solidariedade e amor com o próximo a seu filho desde pequeno, desde o seu primeiro ano. E para quem pensa...mas ele é muito pequeno, não, não é muito pequeno para já começar a estabelecer suas relações com o mundo, ele já tem feito isso desde a barriga da sua mãe.

Esse convite me tocou não só pela atitude desse pais em ajudar outras famílias, mas porque eles estavam abrindo mão da festa super-fantastica do primeiro ano de seu tão amado filho para comemorar de um jeito diferente, principalmente, ensinando a todos nos o valor da doação e doação não só de bens matérias, mas de carinho!

Mas esse foi um ano realmente surpreendente!!!! Uma outra mãe, cheia de valores e princípios alimentares não abriu mão disso nem na festa do primeiro aniversario do seu filho, fez tudo com tanto carinho e capricho, mas dentro daquilo que ela acredita ser uma alimentação saudável para seu filho fez a festa dele recheada de frutas saborosas e coloridas, sucos naturais deliciosos, sanduiches sem conservantes uma festa incrível, mas que não contou com guloseimas açucaradas e gordurosas de buffets carerrímos para ninguém e se a criança gostou? Se esbaldou em melancia!!! Se sujou todo, brincou e não teve nenhuma dor de barriga depois!
 
 
Essas histórias me encheram de esperança, pois ainda existem pais e mães que não deixam seus filhos serem cuidados pela TV e a mercê dessa publicidade maciça que busca a qualquer preço comprar nossas crianças, pais e mães que não se deixam dominar pelo sentimento de culpa, pois sabem equilibrar o trabalho e sua vida familiar, reservam tempo para suas carreiras, negócios e empreendimentos, mas também bagunçam toda a casa para as brincadeiras com seus filhos, sentam no chão, cuidam da alimentação, brincam de boneca e carrinho, sentam para fazer o dever com eles, sabem das suas potencialidades e dificuldades e as vezes passam horas na internet até procurando maneira de ajudá-los, não polpa esforços e não deixam a cargo de professores particulares, babas ou simplesmente entregues as escolas, são pais e mãe de verdade!!!!

 

 

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Dia das crianças: A importancia da Brincadeira

Olá Pessoal,

Já dizia a musica "brincadeira de criança, como é bom..."!!! E é bom mesmo!!! Esse é o mês que se comemora o DIA DAS CRIANÇAS, as redes sociais estão repletas de fotos infantis, gente até que aproveitou a ocasião pra matar a saudade da infância que teve, como foi meu caso, vendo fotos dos meus amigos e primos que andaram não só revelando o passado deles mas o de toda a família! hehehhe...

É uma delicia reviver os tempos de criança, pois tive uma infância muito feliz, rodeada de primos e amigos com os quais tenho um carinho enorme! Brincávamos na rua quase todos os dias, o que dava um certo trabalho para nossos pais, que tinham que ficar nos olhando e que por muitas vezes entravam na brincadeira o que nos alegrava ainda mais! Fui do tipo de criança que passava o fim de semana na casa da avó e viajava pra roça com eles. E era roça mesmo, não tinha piscina, quadra ou videogame, brincávamos era de cabaninha, de subir em árvore e fazer comidinha de barro, de corre-corre, balão d'água e as inúmeras brincadeiras que inventávamos e brincar era o melhor remédio pra tudo!!!

Por isso, não poderia deixar de lembrar a todas as crianças e aos pais que brincar é ESSENCIAL!!!




O princípio VII da Declaração Universal dos Direitos da Criança, aprovada por unanimidade pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1959, já estabelece: toda criança tem direito ao lazer infantil. Brincar é essencial para o desenvolvimento da criança - e o valor da brincadeira não pode ser subestimado.

A literatura e as pesquisas demonstram que brincar tem três grandes objetivos para as crianças: o prazer, a expressão dos sentimentos e a aprendizagem. Brincando, a criança passa o tempo, mostra aos pais e professores sua personalidade e descobre informações.

Temos várias razões para brincar, pois sabemos que é extremamente importante para o desenvolvimento cognitivo, motor, afetivo e social da criança. É brincando que a  criança expressa vontades e desejos construídos ao longo de sua vida, e quanto mais oportunidades a criança tiver de brincar mais fácil será o seu desenvolvimento. A criança consegue lidar com situações novas e inesperadas, e age de maneira independente, e consegue enxergar e entender o mundo fora do seu cotidiano.

O brincar favorece a descoberta, a curiosidade, uma vez que auxilia na concentração, na percepção, na observação, e além disso as crianças desenvolvem os músculos, absorvem oxigênio, crescem, movimentam-se no espaço, descobrindo o seu próprio corpo. O brincar tem um papel fundamental neste processo, nas etapas de desenvolvimento da criança. Na brincadeira, a criança representa o mundo em que está inserida, transformando-o de acordo com as suas fantasias e vontades e com isso solucionando problemas.

Para Cunha (1994), o brincar é uma característica primordial na vida das crianças, porque é bom, é gostoso e dá felicidade. Além disso, ser feliz e estar mais predisposto a ser bondoso, a amar o próximo e a partilhar fraternalmente, são outros pontos positivos dessa prática.

O brincar tem a função socializadora e integradora. A sociedade moderna cada vez mais tem sofrido transformações em relação ao brincar e ao espaço que se tem para brincar, os pais e os filhos têm pouco tempo para ficarem juntos e brincar e a escola acaba sendo a única fonte transmissora de cultura, onde ainda existem espaços para as crianças brincarem, tendo os profissionais de educação a incumbência de ensinar e resgatar as brincadeiras populares.

 O brincar vai desde a sua prática livre até uma atividade dirigida, com regras e normas. Os jogos são ótimos para desenvolver o raciocínio lógico, e também para o desenvolvimento físico, motor, social e cognitivo, e atualmente a aplicação desta nova maneira de transmissão de conhecimento é até mais fácil pelos recursos e metodologias disponíveis para o professor.  

Porém, o brincar não deve ficar só a cargo da escola, os pais também devem ter esse momento com seus filhos e o primeiro passo para garantir que ele faça esta atividade com frequência é estabelecer um horário diário ou semanal para brincar com seu filho. Muitos pais lotam a agenda dos filhos com afazeres extracurriculares, o que extingue o momento da brincadeira. "Toda agenda de criança deve ter um espaço diário para não fazer nada - é aí que surge o espaço para brincar".

Participar da brincadeira dos filhos também dá uma vantagem aos pais: conhecê-los melhor. Como a criança se expressa brincando, os pais observadores descobriram as vulnerabilidades e os pontos fortes de seus filhos, brincar juntos aumenta o grau de confiança e o vínculo entre pais e filhos.
Dar brinquedos de diferentes materiais e tipos também é recomendável. Por isso, nada de entupir a menina só com bonecas e chegar com um carrinho debaixo do braço a todos os aniversários do menino. As crianças precisam experimentar de tudo. Cada brinquedo traz uma mensagem e vai despertar o interesse e a curiosidade de alguma forma.

O importante é o brincar, e não o brinquedo. É possível improvisar brinquedos com uma fruta, uma caixa de papelão vazia ou o que quer que esteja à mão. E não se preocupe se não puder dar a seu filho aquele carrinho movido a pilhas de última geração. Só na visão do adulto um brinquedo eletrônico é divertido. Para a criança, brinquedo que brinca sozinho é enfadonho.
As brincadeiras ideais para cada faixa etária 

O desenvolvimento infantil é individual, mas as crianças passam, cada uma a seu tempo, pelas fases abaixo. Todas as atividades devem ser desenvolvidas sob supervisão de um adulto e nos ambientes adequados.





Crianças menores, mesmo na companhia de outras, costumam brincar sozinhas. Para elas, o ideal são brincadeiras que estimulem os sentidos. Através deles, elas exploram e descobrem cores, texturas, sons, cheiros e gostos. Nesta fase, a brincadeira tem que estimular os sentidos.


Correr, puxar carrinhos, escalar objetos, jogar com bolinhas de pelúcia são atividades recomendadas.




 
Por volta dos 3 anos elas desenvolvem outro tipo de brincadeira: o faz de conta. Imitar situações cotidianas - como brincar de casinha ou fingir que é o motorista de um ônibus - permite que as crianças se relacionem com problemas e soluções que passam do fazer imaginário para o aprender real.




A partir dos 5 anos, os pequenos estão aptos para incluir o outro nas brincadeiras. "É a fase em que elas deixam de brincar ao lado de outras crianças e passam a brincar com outras crianças. Surgem os jogos coletivos, de campo ou de mesa: jogos de tabuleiro, futebol, brincadeiras de roda.

 



 

A partir dos 7 anos a criança está apta a participar e se divertir com todos os tipos de jogos aprendidos, mas com graus de dificuldade maiores.









Esta sem ideia de como brincar com seu filho, então confira essas dicas!
http://delas.ig.com.br/filhos/brincadeiras/





O brincar, independente do local, dos brinquedos disponíveis e de quem o pratica, sempre será positivo e sempre gerará aprendizado, tanto como atividade dirigida quanto livre.

Para encerrar, uma música simples... assim como o brincar!






Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo.
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva,
E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva.
Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel,
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu.
Vai voando, contornando a imensa curva Norte e Sul,
Vou com ela, viajando, Havaí, Pequim ou Istambul.
Pinto um barco a vela branco, navegando, é tanto céu e mar num beijo azul.
Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená.
Tudo em volta colorindo, com suas luzes a piscar.
Basta imaginar e ele está partindo, sereno, indo,
E se a gente quiser ele vai pousar.
Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida.
De uma América a outra consigo passar num segundo,
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo.
Um menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente, a esperar pela gente, o futuro está.
E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar,
Não tem tempo nem piedade, nem tem hora de chegar.
Sem pedir licença muda nossa vida, depois convida a rir ou chorar.
Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá.
O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar.
Vamos todos numa linda passarela
De uma aquarela que um dia, enfim, descolorirá.
Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo (que descolorirá).
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo (que descolorirá).
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo (que descolorirá).
(Aquarela, Toquinho)
 

Dedico esse post aos meus primos e melhores amigos que fizeram parte das minhas melhores brincadeiras de criança! Amo vocês!!!!
 
 
 


segunda-feira, 7 de outubro de 2013

OUTUBRO ROSA: Cuidado!!! Atormentados pela prevenção




Olá Pessoal!

Gostaria de dividir com vocês um texto muito interessante de autoria de Heloisa Caldas - EBP (RJ). Quando vemos campanhas como essa do Outubro Rosa temos que tomar cuidado para não ficarmos alarmados demais... o que se busca é o equilíbrio, não podemos deixar de apoiar o movimento e fingir que o câncer de mama não existe - ele existe sim e precisa ser tratado, mulheres precisam se prevenir, porém, as vezes essa prevenção se torna atormentadora como nos diz o texto abaixo, leia e reflita sobre!


 a vida se escoa e precisa ser vivida em vez de ser reduzida a evitar perdas.


Uma notícia sobre a prevenção médica agitou recentemente o mundo. A famosa atriz Angelina Jolie, após se submeter a um exame genético que preconiza probabilidades futuras de ter câncer, submeteu-se a uma mastectomia preventiva dupla. Uma edição recente da revista Time alerta para o 'efeito Angelina' que decorre da visibilidade sobre prevenção médica colocada em cena.




Não podemos julgar a decisão subjetiva de Angelina. O sujeito emerge justamente na forma como cada um enfrenta o saber de sua época, assim como a maioria das decisões subjetivas só pode ser tomada a partir do saber de seu tempo. Quanto mais se fala em avanços da ciência, mais crescem as demandas de sujeitos alienados aos milagres da medicina. Trata-se da prece contemporânea à Deusa Ciência, esperando-se que esta tenha em suas mãos o controle total do corpo.

O que a veiculação maciça de avanços da ciência, ainda tão frágeis, produz? Uma demanda de garantia. Esse será, provavelmente, o maior "efeito Angelina": o recrudescimento do apelo ao saber científico, sem levar em consideração sua forma cientificista de difusão que ocorre menos devido às descobertas das pesquisas do que a sua associação com os interesses do capitalismo.

Para a psicanálise, o real do corpo distingue-se daquilo que o organiza como a imagem a se dar a ver. Também não se confunde com a inscrição simbólica desse corpo nos laços sociais. Tais registros se enlaçam ao real do corpo que reside no fato de que, aquém e além da subjetivação, que faz do corpo um objeto que se "tem", o corpo existe como campo de gozo. Um gozo que não se pode dominar nem arquitetar totalmente. Um gozo que, inexoravelmente, visa outra satisfação, situada além da demanda que a anima.

A partir dessas considerações, gostaria de destacar outro efeito do cientificismo contemporâneo. Ele se expressa, na clínica, através de manifestações de culpa que dificultam o luto que alguns precisam fazer, após acidentes ou cirurgias que, diferentemente do caso de Angelina Jolie, não se deram por opção, mas responderam a contingências. O câncer pode ser uma delas. A contingência do acontecimento de corpo, devida à perda de uma parte deste, exige um delicado trabalho de rearranjo dos três registros nos quais o corpo se situa. O que se pode imaginar do corpo, o que se pode fazer com ele, nunca mais será o mesmo, depois de um acontecimento dessa ordem. É preciso reconstruir um novo saber para viver e lidar com este corpo.

O acaso traumático impele naturalmente ao trabalho psíquico de submetê-lo a uma leitura que o legisle. Criam-se argumentos que justificam uma causa anterior ao fato. O sujeito pode pensar não ter atentado para isso a tempo. Daí surge uma culpa de que isso poderia ter sido predito, previsto e, portanto, evitado. Esse prefixo "'pré" atormenta o sujeito, no futuro anterior impossível do trauma, ao mesmo tempo em que nutre um supereu feroz e exigente sustentado pelos ideais de prevenção.

Esse é também um dos efeitos das divulgações cientificistas: o de dificultar a experiência com a contingência que permite o luto e a revitalização da libido em novas formas de vida; o de paralisar os sujeitos no olhar vigilante e acusador de um Outro que tudo poderia ver e saber. O real do corpo é justamente o ponto em que, diante do Outro inconsistente –S(A/)–, a vida se escoa e precisa ser vivida em vez de ser reduzida a evitar perdas.








OUTUBRO ROSA II




O Outubro Rosa e um movimento de conscientização sobre o câncer de mama, uma doença mais comum do que se imagina e que pode ser tratado se descoberto o quanto antes, então e importante que se faça o autoexame: Prevenir-se!!!

 
 
Como podemos perceber o câncer de mama:
 

 
 
Previna-se, faça o autoexame:
 
 


OUTUBRO ROSA

Olá Pessoal!!!

Como muitos de vocês já devem ter visto, Outubro e o mês da campanha contra o câncer de mama e o Blog apoia essa ideia!

Vamos discutir durante esse mês assuntos relacionados ao tema e contamos com sua opinião :)



quarta-feira, 11 de setembro de 2013

ESCOLHA PROFISSIONAL DOS FILHOS: UM CONFLITO PARA OS PAIS

Olá Pessoal,

Até então falamos sobre a Orientação Vocacional voltando nossas atenções para os adolescentes... mas estes não estão sós! Existe uma família por trás desse jovem que passa por esse momento, e aí? Como ficam os pais diante desse momento?

No texto que postamos hoje minha amiga Thaysa Christie, psicologa clínica e organizacional pós graduada em Gestão de Pessoas pela PUC Minas, aborda exatamente a questão dos pais diante da escolha profissional de seus filhos num texto de fácil compreensão e que muito pode nós ajudar a entender essa questão... então, boa leitura!!!!





Quando se fala em escolha profissional, geralmente se pensa no jovem, nas suas angústias e ansiedades. Mas podemos também pensar nos pais, pois também é um momento de expectativas para eles. Então, fica a pergunta: Como a escolha profissional dos filhos podem afetá-los?

Desde o nascimento, os filhos são acompanhados de desejos e expectativas dos pais em relação ao seu futuro, e uma dessas expectativas é em relação à profissão. O filho recebe uma grande carga de desejos dos pais, eles constroem projetos futuros e esperam que seus filhos correspondam a essa idealização.

A influencia dos pais pode muitas vezes dificultar ou mesmo acarretar uma precipitação na escolha profissional dos filhos. Essa influencia pode ser um fator oculto, algo que não seja explicito diretamente, mas que está presente no momento da escolha. Assim como outros sentimentos, como a insegurança e angústia.

O valor e as identificações que a família atribui a uma ou a algumas profissões interferem na tomada de decisão do jovem. Grande parte das representações que os jovens fazem acerca das profissões é atribuída à valorização que a família dá e aos status social. Mesmo que o jovem não perceba diretamente essa influencia.

Atualmente os jovens com 17/18 anos de idade já estão escolhendo à carreira que querem seguir. Nesse momento da vida, o jovem se encontra em conflitos, não só em relação à grande decisão que fará, mas com outros fatores como a saída da adolescência e a entrada na vida adulta. Definir o futuro profissional não é somente definir o que fazer, mas é definir quem ser e quem não ser.

Os pais por já terem passado por esse momento, sabem da importância de uma escolha bem feita, ficando angustiados e ansiosos assim como seus filhos. E às vezes esses sentimentos chegam a influenciar mesmo que inconscientemente o jovem.

O mundo familiar pode levar o jovem a escolher uma profissão para qual ele não se sente inclinado. Mas a necessidade de ser amado pela família o leva (inconscientemente) a escolher a profissão valorizada pelo grupo familiar. Assim os pais, muitas vezes, sugerem que os filhos trilhem o futuro que eles por algum motivo não puderam trilhar.

Vimos que os pais dos jovens que estão no momento da tomada de decisão sofrem tanto quanto o jovem, de maneiras diferentes é claro, pois estão em momentos de vida diferentes, tem personalidades e maturidades diferentes. Mas percebemos que não devemos voltar nossos olhos somente para o jovem, quando se fala em escolha profissional, mas devemos estar atentos aos pais, que precisam ser ouvidos e terem também atenção quanto a esse respeito.

Quando falo em voltar o olhar para os pais, me refiro aos profissionais de Orientação Profissional, que trabalham com os jovens que estão face ao momento da escolha, e que nem sempre estão atentos às famílias que existem por trás desses jovens que procura esse serviço.

O profissional visa ajudar ao jovem, a optar por uma carreira em que suas habilidades e aptidões sejam bem exploradas, mas, muitas vezes não entende porque o jovem opta por uma profissão em que aparentemente não tem nada a ver com seu modo de ser. Por isso, é tão necessário não somente abrir espaço para as angustias e ansiedades do jovem, mas ter espaço também para o trabalho com os pais e familiares destes que estão prestes a escolher sua carreira profissional.

Podemos pensar....

Filho, quem você vai ser?

Pais, o que querem que seus filhos sejam?


TEXTO: Thaysa Christie, psicologa clínica e organizacional pós graduada em Gestão de Pessoas pela PUC Minas.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

O que devo fazer para descobrir minha vocação?




Escolher uma profissão, na adolescência, parece uma missão quase impossível. Se você acorda querendo tocar em uma banda, almoça pensando em trabalhar com informática e, ao deitar, já acha que o negócio é ser funcionário público, saiba que você não é o único! Aliás, isso é bem comum nessa fase. Na verdade, escolher uma carreira é entrar naquilo que imaginamos ser o mundo adulto, no qual teremos acesso a uma série de coisas interessantes, mas também a várias novas responsabilidades. Por isso é tão difícil! 






A questão da escolha profissional representa um desafio que envolve 
diversos fatores, tais como as expectativas da família; o custo da formação e o local dos estudos; o tipo de formação desejado; as oportunidades do mercado e as características das profissões, como, por exemplo, o tipo de atividade e o local onde é realizada. Além disso, os valores veiculados pela mídia e o contexto onde você vive influenciam fortemente essa escolha. 

A escolha da profissão é um processo. Exige responsabilidade e compromisso. É preciso fazer uma boa exploração de tudo o que envolve a decisão. Conhecendo as profissões – isto implica em leitura de guias, manuais de faculdade, de artigos na internet, de participação em palestras e feiras e de conversas com profissionais e com pessoas que você respeita. 


Explorando o mundo que vive, se interessando por noticiários que divulgam as condições sociais econômicas políticas de seu povo e do mundo para ampliar seus horizontes. 

Pensando em si como pessoa, isto é, percebendo como interage com os outros, como reage frente a situações novas, quais são seus valores (o que você valoriza na vida), quais são suas habilidades já desenvolvidas, tudo isso para esboçar um plano de quem pretende ser no futuro. 

Fazendo isto com certeza terá mais tranqüilidade no momento em que tiver que tomar sua decisão. Pois, a vocação não é “encontrada”. Ela não está aí, “escondida” em algum lugar dentro de você. Ela tem que ser construída, pesquisando seus interesses, sua história, o mundo do trabalho, o que e como faz cada profissional. Lembre-se: ela é uma “escolha”, não uma “descoberta”. 

A inquietude em relação à decisão profissional é importante; o próprio fato de já se ter essa preocupação é em parte uma garantia de que se conseguirá realizar uma boa escolha!





terça-feira, 3 de setembro de 2013

Olá pessoal,

Temos novidades!!!!! Agora o Colégio Glória Andrade é nosso parceiro, informe-se na escola sobre nossa parceria ou entre em contato com o Consultório de Psicologia :)

Estamos muito contentes com essa parceria!!!!




O que eu vou ser quando crescer?






Uma pergunta difícil de responder por um adolescente.

Talvez você não saiba exatamente o que vai ser até porque existem muitas coisas para serem descobertas nessa caminhada à vida adulta. Mas precisamos saber que rumo nossa vida vai levar.






Por que me perguntam tanto,

o que eu vou ser quando crescer?
O que eles pensam de mim
é o que eu queria saber!

Gente grande é engraçada!
O que eles querem dizer?
 Pensam que eu não sou nada?
Só vou ser quando crescer?

Que me venham com essa,
pra não perder o latim.
Eu sou um monte de coisas
e tenho orgulho de mim!

Essa pergunta de adulto
é a mais chata que há!
Por que só quando crescer?
Não vou esperar até lá?

Eu vou ser quem eu já sou
neste momento presente!
Vou continuar sendo eu!
Vou continuar sendo gente!




Vamos imaginar:

Vou pedir para você montar um quebra-cabeça com 1000 peças. Você primeiramente vai espalhar todas elas em uma mesa grande e ir virando as peças para cima. A seguir você pega a caixa para ver a figura e saber exatamente que desafio o aguarda e ao olhar percebe que não há nenhuma figura. Então você se pergunta se é possível montar esse quebra-cabeça sem saber exatamente com o que ele se parece. Fica bem difícil, não é mesmo?

Agora imagine sua vida e “suas 1000 peças”. Com um objetivo em mente, você visualiza o rumo que quer dar a ela, por exemplo, ou  o que você deseja conquistar daqui um ano? Com esse tipo de visão fica mais fácil montar o quebra-cabeça da sua vida.

O que fazer para desvendar meu futuro?

Nossa vida é semelhante a uma plantação. O que você plantar você vai colher. O que você quer colher na sua vida? Se não sabe é bom começar a dar um rumo a ela e não empurrá-la com a barriga.

O tempo da adolescência é um tempo de investimento no futuro

Nesta fase você começa a desenvolver seus talentos e  deve estar atendo para detectar as coisas que você gosta de fazer e as que tem mais habilidade. Todos nós temos talentos e precisamos descobri-los.

Outra coisa muito importante é que precisamos ter objetivos, alvos.

O atleta em uma corrida sabe onde fica o ponto de partida e chegada. Ele não fica correndo por aí esperando um dia cruzar uma linha de chegada sem ao menos saber onde fica.

Assim também somos nós. Não podemos ficar correndo perdidos por aí devemos ter consciência do que queremos para nossas vidas.

É claro que muitas novidades aparecerão com o decorrer da sua vida, mas existem princípios que te acompanharão por toda vida e esses mesmos princípios precisam estar definidos na sua vida desde novos para que você não erre o caminho.

Esses princípios o ajudarão a tomar as decisões  certas durante a sua corrida e lhe dará clareza quando estiver montando as “1000 peças do seu quebra-cabeça.”

Estes mesmos princípios serão na sua vida como uma árvore de raízes profundas que não se abalam com as mudanças de clima e nem com um forte vendaval, por exemplo.

Os princípios funcionam como um mapa da grande aventura que é a sua vida e te colocará como líder do seu destino. 


E por ser um momento tão difícil e de tantas descobertas que muitos jovens podem e devem recorrer a serviços especializados para ajudá-los: o serviço de Orientação Vocacional que pode ser feito em grupos ou individualmente, então se você precisa, procure um psicologo, ele poderá ajudar você!

;)




segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Semana da Orientação Vocacional

Olá Pessoal!





Essa semana trataremos aqui no blog sobre Orientação Vocacional (OV) o que é, a importância de fazer uma OV bem feita, e esclareceremos dúvidas dos nossos seguidores... então preparecem-se para uma semana de bastante informações e interaja conosco!!!

Atualmente o Mercado de trabalho está cada vez mais competitivo, complexo e exigente. As profissões e especializações ofertadas são inúmeras, o que dificulta ainda mais a escolha por uma profissão ou curso superior, seja ao iniciar uma carreira profissional ou durante o seu percurso numa perspectiva de mudança de profissão.
A busca neste momento é por uma escolha que possa garantir uma satisfação tanto financeira quanto de realização pessoal, o que faz deste, um momento crítico e de difícil escolha. A Orientação Profissional facilita a pessoa a enfrentar este momento de conflitos e dúvidas.
O processo de Orientação Profissional possibilita a pessoa desenvolver internamente uma tomada de consciência do seu real potencial e limites, identificando, em que momento ela se encontra; como ela se sente; onde ela está; onde ela deseja chegar; e como percorrer este caminho.

OBJETIVO DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL:

  • Focada na esfera da aprendizagem, o processo visa desenvolver maior maturidade,  autoconhecimento, autoconsciência,  autocongruência, auto-aceitação e abertura para novas experiências. Possibilitar o  reconhecimento das possíveis profissões desejadas, promovendo a tomada de decisão e a realização de escolhas conscientes, responsáveis e satisfatórias.




PUBLICO ALVO:

  • Alunos do Ensino Médio que estão indecisos em relação à escolha profissional;
  • Pessoas que iniciaram uma faculdade, mas desistiram ou estão pensando em desistir;
  • Recém- formados que não sabem que área seguir;
  • Pessoas que estão insatisfeita com sua atual vida profissional;
  • Pessoas que estão se aposentando e não pretendem ficar inativas profissionalmente.

 METODOLOGIA NA ABORDAGEM CLÍNICA:

  • O programa de Orientação profissional  inclui de oito a dez sessões, dependendo do desempenho de cada pessoa. O processo de orientação é  individual e vivencial, onde a pessoa é incentivada a desenvolver um papel ativo na condução do processo, considerando sua capacidade de decisão e possibilidade de escolha assim como de seu potencial criativo.
  •  Consideram-se  as determinantes sociais e individuais dentro do referencial de valores particulares de cada um, trabalhando a dinâmica familiar da pessoa e como ela se relaciona com seus diferentes membros. Identificando as expectativas e modelos ideais familiares em relação ao futuro profissional e pessoal.
  • Avaliam-se a influência dos aspectos sociais, as condições de trabalho, as influências externas na elaboração da identidade pessoal e profissional.
  • Desenvolvimento de atividades através de técnicas de dinâmicas para Orientação Profissional e TESTES PSICOLÓGICOS, cujos objetivos são avaliar a maturidade e preferência  para escolha profissional, identificando a inclinação profissional e o perfil de personalidade.
  • Investigação a cerca das possíveis profissões desejadas com foco nas possibilidades futuras de atuação.

FACILITADORA

Ada Melo
Psicologa Clínica - CRP 04/33403